A probabilidade estatística do amor à primeira vista – Jennifer E. Smith

Imagem

Quatro minutos! Apenas quatro minutinhos e a vida de Hadley muda completamente.

Depois de perder o vôo que a levaria direto para o casamento do pai – com uma mulher que ela nem conhece – Hadley fica presa no aeroporto de Nova York. E é lá, lutando contra sua claustrofobia, no meio de muita gritaria, confusão e bagagens extraviadas, que acaba conhecendo Oliver, um jovem britânico muito prestativo, disposto a ajudá-la.

Lenta e milagrosamente, aquele que tinha tudo para ser o pior dia de sua vida acaba tomando um caminho diferente. Como se já não fosse incrível o fato de um garoto como aquele – tão divertido, bonito e inteligente – ter se oferecido para ajudá-la, ainda descobre que ele ocupará o acento ao lado do seu.  

Enquanto cruzam o Atlântico, vão se conhecendo aos poucos e conversando sobre todos os assuntos possíveis, até mesmo aqueles mais íntimos e secretos. Afinal, não há mal nenhum em compartilhar essas coisas com um parceiro de viagem, alguém que você nunca mais irá encontrar novamente, certo…?

A probabilidade estatística do amor à primeira vista é uma leitura gostosa, bem rapidinha, perfeita para alegrar uma tarde sem graça. Fiquei surpresa com a facilidade com que o livro conseguiu me envolver, porque ele é curtinho e – sinceramente – eu não esperava grande coisa. Porém, tcharam!, acabou superando todas as minhas expectativas. Não é só um romance bobinho entre um casal de adolescentes; tem todo um drama familiar envolvido e uma enorme bagagem de problemas, que eles precisam resolver de uma forma ou de outra. Mas sim, ainda é um romance. Um romance doce, tranquilo e mágico. 

Desejos dos Mortos – Kimberly Derting

Imagem

No segundo livro da série The Body Finder, a vida de Violet Ambrose ainda continua longe de ser normal. Tudo por causa de um estranho dom que possui desde criança. Ela é capaz de ouvir ecos, sinais que a conduzem até os mortos. Não todos: apenas as vitimas de assassinato.

Alguns meses após ter enfrentado um serial killer, que andou aterrorizando sua cidade e matando garotas inocentes, Violet esperava conseguir um pouco de paz, só que as coisas não saíram bem como ela planejava. Seu dom acabou chamando atenção indesejada e agora o FBI está atrás dela, tentando descobrir como uma simples adolescente é capaz de encontrar tantos cadáveres. Para piorar ainda mais as coisas, seu relacionamento com Jay torna-se alvo de uma obsessão doentia, com isso, ela começa a receber constantes e assustadoras ameaças anônimas.

No meio de tantos acontecimentos, Violet ainda luta para seu dom não ser descoberto por ninguém, mas o peso de seus segredos está ficando cada vez mais difícil de carregar, principalmente depois de perder seu melhor amigo e ganhar um namorado. Agora que ela e Jay viraram um casal, Violet sente que não pode – não deve – continuar compartilhando tudo com ele e ter de suportar esse fardo sozinha está acabando com ela. Como se seu caminhão de problemas já não estivesse carregado o bastante, um estudante recém-chegado, Mick, vira instantaneamente o novo melhor amigo de Jay. E, além de estar roubando seu antigo posto, o garoto também possui um trágico e secreto histórico familiar; conforme Violet vai investigando o passado de Mike, descobre verdades aterrorizantes capazes de colocar a vida de todos eles em perigo. 

Naquele estado de torpor, ela não soube dizer se o que via era uma alucinação quando encarou o homem de pé à sua frente. A pele do sujeito, castigada pelo clima, parecia ter um brilho próprio e artificial. Era ao mesmo tempo estranha e bonita. (…) Ele a tinha seguido. No meio da noite. Apesar do embotamento que distorcia sua percepção, Violet compreendeu que ele sabia por que ela estava ali. De algum modo, sabia que ela havia encontrado o corpo.

   Quando viu a mão do homem, o que ele segurava, tudo imediatamente ficou muito claro. Violet observou enquanto ele empunhava a espingarda com firmeza e a encarava.

   – Sinto muito que você a tenha encontrado – disse ele, abatido. – Não queria que mais ninguém morresse. 

Desejos dos Mortos explora as habilidades de Violet sem repetir o método do anterior. Apesar de ainda envolver uma penca de assassinatos misteriosos, a forma como a história é abordada muda visivelmente. Achei o enredo mais fácil de acompanhar e o desfecho foi bem concluído, não deixou pontas soltas como geralmente acontece em livros desse gênero.  Confesso que senti falta do romantismo que recheava as páginas de Ecos da Morte, mas talvez seja uma forma de equilibrar um pouco a série (já que ainda vem mais dois pela frente!). Então, pra quem gosta do estilo “investigação policial” e consegue encarar um bom suspense sem medo, ai está uma ótima pedida para aproveitar as férias de julho. 

Fiquei com o seu número – Sophie Kinsella

Imagem

A vida de Poppy Wyatt está uma bagunça. Faltam apenas dez dias para o seu casamento e cada vez aparece mais compromissos por causa dos preparativos. Ate ai tudo bem, Magnus é tudo o que uma mulher poderia desejar… bonito, inteligente, romântico e, pra completar, ainda a pediu em noivado com uma jóia valiosíssima, que pertence à família há três gerações e foi tirada de um cofre no banco especialmente para ela. O problema é que Poppy acabou de descobrir que os sogros não estão exatamente pulando de alegria com a união, e justo no dia em que eles estão voltando de viajem (no dia em que ela pretendia provar seu valor e conquistá-los) Poppy perde seu celular e também… o anel de noivado!

Obviamente, ela entra em pânico e coloca todos os funcionários do hotel atrás da jóia. Mas mesmo que por um milagre alguém encontre seu anel, como entrará em contato para avisá-la? É ai que surge uma luz no fim do túnel, ou melhor, na lata de lixo. Deixado lá, sozinho e abandonado, está um celular novinho em folha! Sem pensar duas vezes, Poppy passa o numero para todas as amigas e funcionários do hotel.

O problema é que este aparelho é da empresa do executivo Sam Roxton, para onde todas suas mensagens pessoais e e-mails de negocio são enviados. E é claro que ele não fica nada contente ao saber que sua ex-secretária cabeça de vento jogou o celular fora e que agora o objeto foi parar nas mãos de uma mulher completamente desconhecida, que pode acessar toda a sua vida com apenas alguns cliques.

Porém, Poppy já se apossou do aparelho e não pretende devolver tão cedo. Através de muitos telefonemas, trocas de mensagem e algumas súplicas, os dois fazem um acordo: ela pode ficar com o celular por alguns dias, até o anel aparecer, mas precisará encaminhar tudo o que for recebido para o número pessoal de Sam.

A partir daí se inicia uma ardente troca de mensagens entre eles. E enquanto Poppy precisa correr atrás do anel perdido, tentar provar seu valor para a família do noivo e esconder a mão dos olhares curiosos… um turbilhão de confusões se desencadeia, seguindo-se umas as outras num ritmo acelerado.

Fiquei com seu número é uma leitura fácil e gostosa. Eu devorei as mais de quatrocentas páginas bem rapidinho e recomendo sem medo ou restrições a qualquer um que curta um bom chick-lit. Os diálogos são ótimos e a forma como os personagens conseguem interagir, mesmo sem ter nenhum contato físico, é fantástica. Poppy tem o dom de se meter em uma furada atrás da outra e diversas vezes acaba levando Sam de carona. Mas como qualquer protagonista boazinha, ela só faz isso com intenção de ajudar. Sam é bem mais sério e responsável; o oposto dela. Ele tem um senso de justiça inabalável e faz tudo o que pode – e o que não pode – para defender as pessoas das quais gosta. Me apaixonei pelos dois. Mesmo eles sendo tão diferentes, se encaixam perfeitamente na narração e constroem uma história envolvente, meio atrapalhada e muito, muito divertida.

O Teorema Katherine – John Green

Imagem

Colin conhece Katherine. Katherine gosta de Colin. Colin e Katherine namoram. Katherine termina com Colin. É sempre assim.

Colin Singleton é um jovem prodígio, viciado em anagramas e capaz de memorizar quase tudo o que já viu ou leu durante a vida. Ele tem uma estranha fascinação por garotas chamadas Katherines. Já teve dezenove namoradas com esse nome. E todas elas, de uma forma ou de outra, terminaram com ele.

Foi assim que, após levar o décimo nono fora bem no dia da formatura, ele decide cair na estrada junto com seu melhor amigo, Hassan. Colin começa então a por sua mente brilhante para funcionar e elabora o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tem o objetivo de prever o desfecho de qualquer relacionamento e, assim, saber quem terminará com quem antes mesmo das pessoas se conhecerem.  Ele almeja tornar-se um gênio, deixar sua marca na história e, com sorte, reconquistar K-19.

Diferente de A Culpa é das Estrelas, este livro não foi escrito para destroçar nossos corações e nos fazer derramar rios de lágrimas até não sobrar mais nada. O Teorema Katherine é inteligente e engraçado. Com personagens marcantes e diversos acontecimentos imprevisíveis, John Green me relembrou porque seu nome merece ter um lugar de honra na minha estante.

Imagem

Um detalhe interessante são as notas de rodapé. Confesso que nunca dei muito valor a elas, mas desta vez foi diferente. O Teorema Katherine é cheio de notas fantásticas, bem colocadas e muito, muito divertidas!

Imagem

A Elite – Kiera Cass

ImagemNa sequência de A Seleção, a competição para conquistar o amor do príncipe Maxon está mais intensa que nunca. Agora restam apenas seis garotas e todas elas parecem saber exatamente o que fazer… com uma pequena exceção. America está cheia de incertezas; ela finalmente reconheceu que seus sentimentos por Maxon não são os mesmos de antes, mas escolhê-lo significa aceitar também uma coroa e America ainda não se sente preparada para se tornar princesa. Além disso, seu ex-namorado, Aspen, continua trabalhando como guarda no palácio, e toda vez que o vê não pode deixar de pensar em como sua vida seria mais fácil se os dois simplesmente reatassem. Aspen é seu porto seguro, alguém capaz de fazê-la esquecer todos os problemas quando estão sozinhos e com quem ela já planejou todo seu futuro uma vez. America está com o coração dividido, sem saber o que fazer. E o tempo para escolher está terminando.

A Elite nós trás muitas respostas que ficaram subentendidas no primeiro livro. O clima fica mais sério, a tensão entre as participantes aumenta e a competição se torna bem visível e interessante. Enquanto isso as invasões rebeldes continuam, o problema da divisão de castas parece sem solução e America descobre que pertencer à realeza vai muito além de usar vestidos glamorosos, organizar banquetes e festas ou projetar um sorriso bonito em frente às câmeras.

Aquele ar cativante de “contos de fada” é deixado um pouco de lado, mas nem por isso o enredo perde seu encanto. Confesso que esta foi a principal característica que me arrebatou em A Seleção e fiquei um pouco chocada ao ir percebendo a mudança; no entanto Kiera Cass conseguiu trazer outras qualidades ao segundo livro sem repetir o mesmo método. Acho que ela fez um bom trabalho, apesar de que no passo em que o fim do primeiro livro me trouxe uma leveza gostosa, A Elite deixou meu coração pesado e muito, muito ansioso mesmo pela continuação!

Tudo o que ela sempre quis – Barbara Freethy

Imagem
Dez anos atrás, em uma festa, a linda e estonteante Emily caminhava para sua morte, deixando seus amigos e suas “irmãs” — Natalie, Laura e Madison — devastados. Nenhum deles esquecera aquela noite — ou o papel que cada um teve na morte de Emily, a culpa que os persegue e a perda que ainda sofrem.
Agora, um escritor desconhecido entra na lista dos livros mais vendidos com um romance similar à história deles. Quem é ele? Como ele sabe os detalhes íntimos de suas vidas? E por que está acusando um deles de assassinato? Quando os amigos se reúnem novamente para buscar a verdade, trazem a tona segredos devastadores e paixões há muito tempo esquecidas.  

Primeiro os pontos negativos: o título é terrível, não combina nenhum pouco com o enredo e a fotografia da capa também não ajuda; muito bonitinho e tudo, mas parece pertencer a uma história diferente. Já a sinopse é maravilhosa, porém promete mais mistérios do que realmente existe e isso nos faz criar grandes expectativas que não são saciadas devidamente. Eu esperava que os segredos fossem mais intensos e obscuros, ao invés disso encontrei uma coisa leve e meio organizada de mais pro meu gosto.

Porém, existem vários pontos positivos também: um são os personagens, bem vivos e diferentes entre si… alguns eu quis pegar no colo e levar pra casa, outros apenas ir lá e dar uma voadeira. Os diálogos são uma delícia! E a trama se desenvolve aos poucos, de um jeito bacana. As descobertas vão apontando para diversos culpados ao decorrer das páginas, de modo que suspeitei um pouquinho de cada um deles. No fim, não consegui acertar; o que só prova que não foi um final previsível, mas sim… interessante.

Acho que algumas coisas deveriam ter sido diferentes, contudo sou incapaz de fazer comentários sobre isso sem dar spoilers. De modo geral, acho que é um livro ótimo, que valoriza bastante a amizade e lealdade; com uma dose satisfatória pelo menos pra mim de mistérios e romances bem colocados entre uma descoberta e outra. Recomendo.